23 de fev de 2008

“PAVILHÃO MOURISCO”: BIBLIOTECA E EDUCAÇÃO

“PAVILHÃO MOURISCO”: BIBLIOTECA E EDUCAÇÃO
EM CECÍLIA MEIRELES

.
.
Jussara Santos Pimenta
PUC-RIO
.
A vida faz-se de sonho,
mas de sonho clarividente.
A educação tem de ser o sonho e a clarividência
de cada um, conciliados definitivamente,
no ritmo de todos”.
(Cecília Meireles)
.
Esse texto tem como objetivo apresentar alguns aspectos do trabalho de Cecília Meireles relativo à divulgação da leitura e do livro infantil à frente da primeira biblioteca pública infantil brasileira, localizada no Pavilhão ou Espaço Mourisco, inaugurada em 1934, articulando-o à gestão de Anísio Teixeira na Diretoria Geral de Instrução Pública do Distrito Federal. Caracteriza-se, metodologicamente, como uma pesquisa histórica na perspectiva assinalada, utilizando como base material de análise o conjunto de textos que constam na obra de Cecília Meireles (especialmente os Comentários da Página de Educação do Diário de Notícias, bem como sua correspondência pessoal com Fernando de Azevedo)[1]; a obra e documentos de Anísio Teixeira que constam do seu arquivo pessoal no CPDOC (sobretudo o que se refere à Reforma de Instrução Pública no Distrito Federal em 1931-1935); a obra e os documentos encontrados no arquivo Fernando de Azevedo (IEB-USP); a obra de Armanda Álvaro Alberto (inclusive o livro de atas da Seção de Cooperação da Família da ABE - Associação Brasileira de Educação); bem como outros documentos que têm ligação estreita com o tema proposto para investigação: documentos referentes ao Pavilhão Mourisco que constam no Arquivo da Cidade; jornais da época, encontrados na seção de periódicos da Biblioteca Nacional e nos arquivos do jornal O Globo, depoimentos, cartas e entrevistas.

São objetivos e contribuições desse trabalho: entender o Espaço Mourisco como um celeiro de idéias e pesquisas pedagógicas que pode ajudar a esclarecer aspectos relevantes da nossa história educacional; ajudar a entrever outras facetas do movimento da Educação Nova; trazer uma contribuição ao estudo da obra pedagógica de Cecília Meireles; utilizar a abordagem histórica dos fatos da educação como um instrumento indispensável para a análise das situações do presente; subsidiar investigações posteriores que tomem como objeto a biblioteca escolar, relacionando-a às políticas sociais de atendimento à escola das classes populares.
.
Continue lendo em:

Nenhum comentário: